Amadurecimento

Aprenda a encarar os primeiros voos dos filhos

Como os pais devem lidar com os primeiros voos dos filhos

A gravidez de um casal pode ser com ou sem planejamento, mas depois com a notícia da vinda de um bebê, quantos planos surgem! Esses planos são colocados em prática com a educação a partir do seu nascimento. Porém, filho não vem programado e começa a escrever a sua história que pode ou não coincidir com as expectativas dos pais.

Aí, os conflitos se iniciam desde a escolha de roupa até a opção de profissão e de emprego. A preparação dos pais deve ser nos primeiros saltos dos filhos até os grandes voos. O equilíbrio entre não superproteger e permitir que pequenos voos sejam feitos é o caminho para a maturidade deles.

Aprenda a encarar os primeiros voos dos filhosFoto: Daniel Mafra/cancaonova.com

Reflita

A história da águia nos ajuda a refletir sobre este tema. A águia sobe para o alto da montanha e solta o filhote para que aprenda a voar. Numa determinada altura ela torna a pegá-lo para que não morra. Com o tempo o filhote aprende e consegue voar sozinho e não precisa mais que o pai o agarre.

Assim como a águia, os pais não podem deixar as crianças expostas a grandes voos inicialmente, mas se acompanhá-las no passo a passo, poderão prosseguir sozinhas no momento certo.

Forme filhos maduros

Muitos querem criar filhos independentes, mas o inconsciente e histórias de vida da família sabotam esses projetos, por conta da insegurança e medo de perdas acabam superprotegendo e tornando as crianças infantilizadas. Portanto, o primeiro passo é não projetar as ansiedades nos filhos, vejam como alguém que já teve o cordão umbilical cortado, por isso vive sem simbiose.

Cuidar é preciso, mas cercar de muitos cuidados sufoca e não deixa crescer. A principal dificuldade é estabelecer limites, autoeducar as crianças para que possam aprender a assumir responsabilidades de acordo com a idade. Os pais precisam investir o seu tempo e não apenas em prover escolas e atividades extras. As crianças são moldadas pelas ações de seus educadores e não pelas palavras. É necessário ajudá-las a assumir pequenas responsabilidades do cotidiano até que possam assumir a sua vida.

Aprendendo com os obstáculos

Deixem que vivam as dificuldades naturais da vida, principalmente a demora em obter algo, isso ajuda a tolerarem as frustrações. O não faz parte da vida, impedi-las de vivenciarem tristezas é como dizer que o mundo é só alegria. As tristezas chegam quando vão para a escola, com os namoros ou os empregos na vida. A capacidade de superar vai depender do treino que realizaram durante o processo de aprendizagem.

É preciso ensinar aos filhos a conquistarem e entenderem que tudo na vida tem preço. Alguns usam o medo, ameaças e castigos físicos ou emocionais, outros, educam através da conscientização e internalização de valores. O primeiro às vezes traz submissão imediata e revolta no futuro, o outro, é um processo mais trabalhoso e de resultados em longo prazo. A escolha do método é dos pais, como também a colheita é proporcional. Que tipo de método você usa?

Leia mais:
.: O que os nossos filhos não esquecerão
.: Conselhos do Papa Francisco para a educação dos filhos
.: Como criar um bom diálogo com os filhos dentro de cada fase da vida
.: Cinco passos para incentivar a independência dos filhos


Ângela Abdo

Ângela Abdo é coordenadora do grupo de mães que oram pelos filhos da Paróquia São Camilo de Léllis (ES) e assessora no Estudo das Diretrizes para a RCC Nacional. Atua como curadora da Fundação Nossa Senhora da Penha e conduz workshops de planejamento estratégico e gestão de pessoas para lideranças pastorais.

Abdo é graduada em Serviço Social pela UFES e pós-graduada em Administração de Recursos Humanos e em Gestão Empresarial. Possui mestrado em Ciências Contábeis pela Fucape. Atua como consultora em pequenas, médias e grandes empresas do setor privado e público como assessora de qualidade e recursos humanos e como assistente social do CST (Centro de Solidariedade ao Trabalhador). É atual presidente da ABRH (Associação Brasileira de Recursos Humanos) do Espírito Santo e diretora, gerente e conselheira do Vitória Apart Hospital.

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.