A identidade do filho de Deus

Deus sempre renova a nossa experiência com Ele, fazendo o “novo” acontecer, fazendo florescer um tempo de graça na nossa história e no nosso dia-a-dia!

Caminho sempre numa Palavra da Bíblia: “Quem está em Cristo, é uma nova criatura. Passou o que era velho, tudo se fez novo” (2 Cor 5, 17). Em Deus não há monotonia, n’Ele nada se repete, tudo se renova, – e quando estamos em Cristo – essa renovação acontece com uma força e um poder transformadores. Tenho 13 anos de conversão e de vida com Deus, e a cada manhã tudo se renova na minha vida.

Jesus assume, com todo o coração e alma, a missão d’Ele, sem medo de se expor e sem medo de morrer pelo que veio anunciar. E sempre assumiu a identidade d’Ele: Filho de Deus! Foi rejeitado pelos da Sua raça, da Sua estirpe, o povo a quem Ele foi enviado; foi perseguido, ameaçado. Porém, não desistiu, foi até o fim, sendo condenado à morte, sendo flagelado, derramando o sangue pelos nossos pecados; não desistiu, morreu e foi justificado pela Ressurreição. Sempre assumindo a identidade d’Ele.

Muitas vezes, não temos a coragem de assumir a nossa identidade, de forma que nem sempre damos testemunho dela [identidade], pois queremos ser iguais a todo mundo. No entanto, nós nos esquecemos de que Aquele – a quem temos de imitar – não se fez igual aos demais; pelo contrário, viveu de maneira diferente, fez a diferença e incomodou. Hoje é o dia de nos perguntarmos: eu tenho incomodado com a minha vivência do Cristianismo? Eu tenho sido autêntico? Tenho dado testemunho da minha fé?

A vivência da Sua identidade levou Jesus à cruz. Talvez também tenhamos de passar pela cruz por fazermos a opção radical por Deus. Mas preciso dizer sem medo: isso é o que Deus quer de nós, que sejamos autênticos, diferentes, separados, santos! E preciso ainda dizer: as pessoas com quem convivemos esperam também que sejamos diferentes e que tenhamos posições diferentes no dia-a-dia, e São Paulo revela que até mesmo toda a criação espera que nos manifestemos: “De fato, toda a criação espera ansiosamente a revelação dos filhos de Deus” (Rm 8, 19).

Você já reparou na sua identidade? No que ela contém? Ela traz o seu nome completo, a sua filiação (nome do pai e da mãe), a data do seu nascimento, o número do registro de seu nascimento, a cidade onde você nasceu, a data da expedição da carteira, a sua foto, sua digital e o número do registro geral e sua assinatura. E como será a nossa identidade de cristãos?

No céu o seu nome está completo também, assim como o nome daqueles que lhe deram a vida aqui na terra estão registrados lá. No entanto, a filiação evidenciada no céu é a de que você é filho de Deus; há a data do seu nascimento, e no lugar da data da expedição da carteira há a data do seu batismo, pois por meio deste sacramento você adquiriu a identidade de filho de Deus. O céu o conhece muito bem, por isso, não precisa de foto nem de assinatura, pois a “assinatura” são as opções que você faz. O Sangue de Jesus lhe dá a garantia do seu nome registrado no céu.

O desafio é demonstrarmos aqui nesta terra a nossa identidade de filhos de Deus, de cidadãos do céu, pois no lugar da cidade onde nós nascemos, está escrito que você e eu somos cidadãos do céu. Mostre para todos a sua identidade. Eis o desafio de hoje: seguir os passos de Jesus e não negar a identidade de cristão, de filho de Deus. Isso implica testemunho de vida e luta constante pela santidade.

Estamos juntos nesta!
Conte comigo!
Deus abençoe!

Comentários

comentários

↑ topo