O homem diante da ciência

Diante da ciência, todas as descobertas adquiridas pelo esforço humano nos levam a conhecer cada vez mais aspectos do nosso Deus

O homem está sempre em busca de conhecimento e isso o faz diferente dos outros seres vivos, não basta apenas nascer, crescer, procriar e morrer é necessário que tudo tenha um motivo justo e plausível de explicação. Durante muito tempo o homem vem procurando respostas para as suas indagações, desde o começo filósofos como Demócrito (primeiro a propor a ideia de que toda matéria é constituída de átomos), já tentavam explicar os principais componentes dos seres vivos para que através dessas descobertas fosse possível encontrar indícios que levassem ao princípio de tudo.

A partir do século XX, descobertas importantes foram feitas, com o surgimento da Teoria da Relatividade e da Mecânica Quânticas criadas por Albert Einstein e Max Planck respectivamente, as descobertas ganharam novas proporções e o que parecia desconhecido começou a ter forma bem diferente do que se era esperado, tudo o que já havia sido formulado por Isaac Newton em suas três leis (Inércia, Principio fundamental da Dinâmica e Ação e Reação), perderam seu valor quando o assunto em pauta eram as partículas fundamentais dos seres vivos analisadas em modelos subatómicos. Isso gerou uma grande confusão no meio científico e o ser humano novamente começou a se questionar se realmente era possível encontrar uma verdade a respeito de tudo.

Nos últimos anos propostas ousadas e arriscadas começaram a surgir, a criação do Acelerador de Partículas (LHC) é uma delas, com o objetivo de encontrar a partícula primordial do ser, aquela que não pode mais se dividir, cientistas físicos fizeram experimentos com altíssimos gastos econômicos e energéticos para que pudessem criar situações que simulassem o nosso universo a poucos instantes de onde tudo começou. Isso seria excepcional! Contudo, qualquer equívoco poderia comprometer todo o Modelo Padrão que conhecemos. Diversas teorias como a do Big Bang sofreriam alterações ou até mesmo teriam que ser reformuladas, sendo assim voltar-se-ia a “estaca zero”.

Aos que acreditam que a Ciência é a única capaz de responder as suas dúvidas

Exemplos como esse demonstram que a busca por respostas parece infinita, a cada nova descoberta novos questionamentos vão surgindo e o que parece estar próximo da verdade final novamente se afasta. Para aqueles que acreditam que a Ciência é a única capaz de responder as suas dúvidas, é triste dizer, mas pode ser que fim da linha não esteja tão próximo, sendo assim, o que lhe resta agora é esperar, pois até o presente momento os avanços científicos só nos levariam à momentos depois do “início de tudo”; os motivos que levaram ao surgimento do ser e o que existia antes daquele momento que a Ciência julga ser o princípio, são lacunas que ainda não foram preenchidas e que talvez nunca serão. No entanto, para aqueles que compartilham da fé cristã, sabem que todas essas descobertas adquiridas pelo esforço humano nos levam a conhecer cada vez mais aspectos do nosso Deus criador, que deixou alguns vestígios para que chegássemos à verdade plena. Se para muitos ter fé é se tornar pessoas indiferentes aos avanços científicos e que fecham os olhos para a realidade, para outros isso significa um ato de grande humildade do homem que contempla a obra do seu Criador, pois que audácia seria se todos tivessem a coragem de dar um passo ao desconhecido e tentar reconhecer que não estamos aqui pela força do acaso e sim pelo amor de um Deus, que tem planos maravilhosos para nós. Já dizia o grande químico Justus von Liebig (1803 – 1873), “O conhecimento da natureza é o caminho para a admiração do Criador.”

Adilson Neres Natividade
Engenheiro Civil Graduado pela Pontifícia Universidade Católica de Goiás

Evite nomes e testemunhos muito explícitos, pois o seu comentário pode ser visto por pessoas conhecidas.